Postado em

COM QUE ROUPA EU VOU?

O filme Sex and the City, de 2008, Louise, personagem interpretada por Jennifer Hudson, sempre aparecia em cena com uma bolsa de marca diferente. Questionada pela chefe Carrie Bradshaw sobre como conseguia comprar tantas peças de grife, ela responde que não comprava, mas alugava. “É como uma Netflix para bolsas”, disse. Há pelo menos dez anos a ideia da economia compartilhada é debatida e a proposta ganha cada vez mais força (e adeptos) no Brasil e no mundo.  

Segundo levantamento da consultoria de tendências WGSM, nos EUA e no Reino Unido mais da metade das pessoas entre 25 e 34 anos tem interesse em alugar peças de roupa e acessórios, ao invés de comprarA estratégia é aplicada tanto para ocasiões pontuais, como festas e reuniões de trabalho, quanto para períodos sazonais e tem por trás um ideal bastante claro: nós não precisamos ter as coisas, mas sim fazer (bom) uso delas. Com isso a gente economiza e o planeta agradece. 

Lançada em São Paulo em 2017, o e-commerce I Bag You oferece o serviço que ganhou o coração de Louise e disponibiliza bolsas de marcas como Chanel, Fendi, Gucci, ChloéBalenciagaValentino e DiorO acervo é todo do próprio espaço, que também apresenta o valor de compra de cada bolsa para comparação de valores dos clientes. “Com o aluguel é possível diversificar e ter acesso a uma nova bolsa aos finais de semana, durante a semana ou até o mês todo”, explica Anna Lugli, idealizadora do negócio. 

Outro negócio que funciona na mesma lógica de consumo de moda mais consciente é a Roupateca, também localizada em São Paulo, que oferece serviço de aluguel de roupas por assinatura. “Em 2014 nasceu o projeto de curadoria de roupas usadas, chamado Entre Nós. Tivemos duas edições de sucesso, só que estávamos muito incomodadas com o fato de ainda ter venda envolvida. Começamos a pesquisar novos formatos para o projeto e nos deparamos com a ideia de uma biblioteca de roupas”, contou Nathalia Roberto, sócia do espaço junto com Dani Ribeiro, em entrevista ao site Hypeness. Segundo as idealizadoras, o objetivo da marca é propor um convite à pausa e à reflexão, que converge nas formas de pensar, compartilhar, servir e reusar o que já temos disponível no mundo. Um convite para assumir o vestir como também um ato político e de amor – a nós e ao planeta.
O aplicativo Loc permite que os próprios usuários aluguem as peças de seu guarda-roupa. “O Loc une dois perfis de mulheres, as que têm interesse em se manter na moda, mas não gastar dinheiro com tendências passageiras, e aquelas que querem ganhar uma grana extra com seu guarda-roupa”, explica Lara Tironi, diretora executiva do aplicativo e uma das sócias da iniciativa, em entrevista ao portal Terra. Atuando em todo o país, o sistema funciona por geolocalização e todas as transações acontecem por meio do cartão de crédito. Depois de efetuado o aluguel (que dura uma semana), o cliente conversa com o vendedor para combinar a melhor forma de entrega – que pode ser feita em mãos ou por um serviço de entrega oferecido pelo próprio aplicativo.  

E SE A ROUPA PUDESSE CRESCER COM O SEU FILHO? 
Em apenas quatro meses de vida uma criança já superou, pelo menos, duas rodadas de tamanhos de roupa; o que custa caro e é um enorme desperdício. Quem tem filhos sabe que muitas roupas serão usadas apenas uma ou duas vezes, e não é por vaidade, é simplesmente porque bebês crescem muito rápido! Mas a VIGGA quer mudar isso. A marca dinamarquesa é precursora de um modelo de negócios premiado, que visa incentivar e tornar possível uma economia circular na indústria têxtil.
O sistema de produtos-serviços desenvolvido por ela permite que os pais aluguem as roupas dos primeiros anos de vida de seus filhos. Todas as peças são confeccionadas com material orgânico. Ou seja, as famílias economizam tempo, dinheiro e recursos naturais. “Você pede as roupas de bebê no tamanho que precisa e, quando o bebê cresce, enviamos um novo pacote maior de roupas orgânicas para crianças”, explica Vigga Svennson, fundadora da iniciativa, em entrevista ao Huffpost UK. Cada peça de roupa tem um chip para rastrear o uso. Quando devolvidas, as roupas são ajustadas, se necessário, antes de serem embaladas e enviadas a outras famílias – as peças não são alugadas mais de dez vezes cada. Simples, criativo e sustentável.