Postado em

POR QUE TRANSPARÊNCIA IMPORTA PARA A INDÚSTRIA DA MODA?

Gigante na indústria têxtil, Brasil ganha Índice de Transparência da Moda

Quando o edifício Rana Plaza desabou há cinco anos em Bangladesh, matando e ferindo milhares de trabalhadores, as pessoas tiveram que vasculhar os escombros à procura das etiquetas das roupas para descobrir quais marcas estavam ligadas às cinco confecções do prédio.

Em alguns casos, levou semanas para as marcas deliberarem sobre como suas etiquetas foram encontradas entre os escombros e que tipo de contratos de compra elas tinham com aqueles fornecedores. Muitas marcas que estavam sendo fornecidas pelas confecções dentro do Rana Plaza não sabiam que suas peças estavam sendo produzidas lá.

Atualmente, a grande maioria das marcas e varejistas não possui fábricas próprias, o que dificulta o monitoramento ou controle das condições de trabalho ao longo de uma cadeia de fornecimento altamente globalizada. Isso, às vezes, pode ser usado como uma desculpa para que as empresas se esquivem da responsabilidade sobre sua produção.

Uma marca pode fazer um pedido de produção para um fornecedor, que divide o pedido e subcontrata o trabalho com outras fábricas. Mas a subcontratação não autorizada faz com que os trabalhadores se tornem invisíveis na cadeia de fornecimento e pode abrir espaço para a violação dos direitos humanos e degradação ambiental.

Logo após o desastre do Rana Plaza, ficou muito claro que a indústria da moda precisava de mudanças urgentes e transformadoras. O primeiro passo para essa mudança implica em dar muito mais transparência e visibilidade sobre as relações comerciais com fornecedores, condições de trabalho e impactos ambientais ao longo de toda a cadeia.

Os consumidores não querem comprar roupas feitas por pessoas que trabalhem em perigo, sendo exploradas e mal remuneradas em ambientes poluídos.

Porém, simplesmente não há informação suficiente disponível sobre as roupas que usamos. O Fashion Revolution trabalha para mudar esse cenário exigindo mais transparência da indústria da moda – o Índice de Transparência da Moda é uma das ferramentas criadas para auxiliar nesse sentido.

Quando estamos munidos de mais informações – de melhor qualidade e credibilidade – sobre os impactos sociais e ambientais das roupas que compramos, somos capazes de fazer escolhas de compras mais conscientes. Dessa forma, entendemos que a transparência constrói confiança nos consumidores em relação às marcas.

Maior transparência e responsabilização também significa que os problemas podem ser resolvidos e as soluções podem ser encontradas mais rapidamente ao longo da cadeia de fornecimento.

A primeira edição do Índice de Transparência da Moda Brasil foi elaborada pelas equipes do Fashion Revolution global e Fashion Revolution Brasil e contou com a parceria técnica do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (FGVces).

Para o Fashion Revolution, transparência significa a divulgação pública de dados e informações confiáveis, compreensíveis e comparáveis sobre as políticas, práticas e impactos de marcas e varejistas em relação aos seus trabalhadores, às comunidades e ao meio ambiente ao longo de toda a cadeia de valor.

O Índice de Transparência da Moda existe globalmente desde 2016 e chegou ao Brasil em 2018 para revisar e classificar 20 das maiores marcas que operam em território nacional.

O Brasil é um dos principais polos têxteis do mundo e representa o quarto maior parque produtivo de confecção, empregando 1,479 milhão de funcionários diretos, dos quais 75% são mulheres.

O país é ainda a maior Cadeia Têxtil completa do Ocidente, que contempla desde a produção das fibras, como o algodão, passando por fiação, tecelagem, beneficiamento, confecção e varejo, até as passarelas.

Reforçando sua relevância como um dos principais atores do setor, o Brasil é o primeiro país a ter uma edição nacional do Índice de Transparência da Moda, enfatizando a necessidade de aprofundar as discussões locais sobre a importância da transparência na construção de uma indústria da moda com melhores práticas.

Mas ainda são muitas as empresas que não abrem suas informações. Entre as 20 empresas revisadas no Índice brasileiro, 8 (40%) obtiveram resultado de 0%. A pontuação média das marcas foi de 17%, onde apenas 2 pontuaram acima de 50% e nenhuma alcançou mais de 60%.

É importante lembrar que transparência é um meio para a mudança e não um fim. Ela funciona como uma valiosa ferramenta para orientar as empresas a uma cultura de autoanálise e prestação de contas, levando a mudanças na forma como os negócios são conduzidos e, consequentemente, traz melhorias nas condições de trabalho e práticas socioambientais ao longo de toda a indústria.

Portanto, divulgar informações publicamente pode trazer benefícios significativos e de longo prazo para as empresas, gerar melhores resultados para os trabalhadores, mitigar impactos sociais e ambientais e facilitar o acesso a informação aos consumidores.

Baixe o Índice de Transparência da Moda Brasil 2018 aqui e acesse o site para saber mais sobre o Fashion Revolution.

Por Eloisa Artuso

Eloisa Artuso é designer, pesquisadora, diretora educacional do Fashion Revolution Brasil e professora de Design Sustentável.