Postado em

COWORKING E EMPREENDEDORISMO CONSCIENTE

Uma dobradinha cada vez mais eficaz.

Já falamos aqui no blog sobre como a tecnologia alterou para sempre a maneira como nos relacionamos com o mundo, em todos os sentidos. No campo do trabalho, ela contribuiu para a criação de tendências como a do freelancing, em que profissionais decidem abrir mão de cargos fixos em empresas e optam pelo trabalho autônomo, em busca de uma realização pessoal, ou se reinventam como prestadores de serviços independentes diante de uma demissão.  

Essa nova dinâmica de trabalho demandou a criação de ambientes mais adequados à novidade, modelos como o do coworking. O termo surgiu em 2005 nos EUA, quando o engenheiro de software Brad Neuberg criou uma comunidade de trabalho com os amigos e percebeu que a troca de ideias e experiências em grupo resultava em maior produtividade. Totalmente conectada a uma outra tendência mundial, em que o compartilhamento de informações e a troca constante são valorizados, a proposta rapidamente ganhou adesão e passou a ser reproduzida mundo afora. 
No Brasil, o conceito chegou há quase dez anos e, desde então, tem crescido de uma maneira bastante expressiva, não apenas nas capitais, mas também em cidades do interior. Segundo levantamento do site Coworking Brasil, que reúne empresas do setor, em 2017 havia 810 espaços de coworking conhecidos no Brasil, um aumento de 114% em relação a 2016.  

De uma maneira geral, os coworkings são espaços nos quais profissionais de diferentes áreas trabalham de maneira autônoma, porém dividindo o mesmo local. Inicialmente, o modelo foi adotado por profissionais das áreas de Comunicação e Direito, mas hoje em dia abarca também jovens empreendedores, profissionais liberais e até funcionários de multinacionais. Em geral, profissionais e empresas que adotam o modelo de coworking buscam flexibilidade ambientes de trabalho mais descontraídos, menos formais e mais propensos à troca de conhecimento. “[É] muito melhor do que trabalhar no isolamento de casa ou fechado em um escritório. Aqui tem o inusitado, não sabemos quem está ao lado, o que vou encontrar e isso é ótimo porque possibilita novos encontros”, disse o estrategista de marketing Wesley Silva, em entrevista ao portal R7 

Com a adesão cada vez maior de profissionais, surgiu a possibilidade de ampliação do modelo de coworking para além do âmbito do trabalho e do compartilhamento de ideias, alcançando as esferas do empreendedorismo e do impacto social. O Co labore é um exemplo dessa nova dinâmica. A iniciativa busca promover a aproximação de empreendedores criativos e sociais com potenciais investidores, um verdadeiro celeiro de novos negócios. “A Co_labore é um espaço que acolhe um coletivo de pessoas que gera um coletivo de ideias. Um coletivo de ideias que inspira estimula cada pessoa a criar seu negócio e cada negócio a evoluir. É uma nova forma de trabalhar e gerar riquezas. Esse é o jeito que encontrei de contribuir com este mundo de trabalho que está surgindo. Um mundo onde a força nasce da colaboração”, explica Antonin Bartos Filho, fundador da proposta.  

Outro exemplo interessante dessa nova vertente é o Cubo, espaço de inovação e empreendedorismo do Itaú Unibanco criado em parceria com o Redpoint eventures (um dos principais fundos de investimento do mundo). Aberto em 2015 e considerado o maior e mais relevante centro de empreendedorismo tecnológico da América Latina na atualidade, o espaço conecta empreendedores, grandes empresas, investidores e universidades com o intuito de discutir sobre tecnologia, inovação, novos modelos de negócios e novas formas de trabalhar 

Na mesma linha, temos também o Campus São Paulocriado em 2016 e, atualmente, o maior coworking do Google no mundo, com mais de 100 mil membros cadastrados. O espaço abriga dez startups a cada seis meses, mas cede espaço também para profissionais interessados em fazer uso da sua estrutura – basta fazer um cadastro gratuito no site. “Nós envolvemos nosso time com as startups e aprendemos com elas. Além de ajudar os empreendedores a entenderem nossos produtos, como tecnologia de nuvem, uso do YouTube ou nossas soluções de publicidade, a gente tem a oportunidade de saber o que eles precisam para evoluir. Com isso, podemos desenvolver o que será necessário no futuro”, explica Fernanda Caloi, gerente de programas do Campus São Paulo, em entrevista à revista Época Negócios

Outro exemplo interessante de incentivo ao empreendedorismo e à economia criativa e colaborativa em voga é o House of Food, um coworking, também instalado em São Paulo, que reúne chefes, professores, estudantes de culinária e aspirantes dispostos a pilotar um fogão industrial e criar receitas. “Aqui, as pessoas podem experimentar, testar receitas e ver o que tem ou não aceitação no mercado, se esse for o objetivo”, explica Wolfgang Menke, criador do espaço, em entrevista ao Draft. Os interessados alugam o espaço por um dia ou por uma semana, podem utilizar o staff da casa na realização de seus eventos e ficam com 100% do lucro obtido na empreitada. 

COWORKING E IMPACTO SOCIAL 
Há também diversos exemplos de coworking que buscam incentivar a realização de projetos que tragam melhorias para a sociedade ou promover atividades em prol da comunidade na qual estão inseridos. É o caso do Civi-co, o primeiro coworking do país com foco em negócios de impacto cívico-social. Inaugurado em São Paulo, em 2017, o espaço conta com startups e ONGs como a Feira Preta, a Hype60+, a Pipe Social e a RedeDots, entre outras.  

O nome Civi-co vem de civismo, da ideia de pertencimento, de cidadania. “Nosso propósito, resumindo, é tornar o Brasil mais justo. Não dá pra olhar só para o lucro. Estamos entre as dez maiores economias do mundo, mas também entre os países mais desiguais. Isso pode ser mudado. As pessoas querem mudança”, explica Ricardo Podval, um dos sócios-investidores do espaço, em entrevista ao Draft. “Queremos que o Civi-co vá além do espaço. Que crie vínculos, sinergias de trabalho e seja um caldeirão de ideias”, diz Patrícia Villela Marino, também sócia-investidora, em entrevista à revista Pequenas Empresas & Grandes Negócios
Civi-co conta ainda com uma iniciativa voltada a startups que não conseguem pagar para ficar no espaço. Batizado de Adote uma Startup, o projeto é subsidiado por empresas que queiram causar impacto social ajudando outros empreendedores sociais. Podval, que por sete anos atuou na China como business developer de uma fabricante de bens de capital, conta que sua experiência na Ásia o fez conhecer de perto o impacto da chamada Nova Economia e que a proposta de ampliação do modelo de coworking, adotado pelo Civi-co, está totalmente atrelado a este novo modelo econômico.  “Na China, hoje, parece que em cada cidade, em cada província, existe um ‘Vale do Silício’ talvez maior até do que o californiano, com mais investimentos, novas formas de trabalho, modelos de escritórios extremamente modernos…Há uma nova visão de empreendedorismo”, afirma.

No Rio de Janeiro, alguns espaços de coworking começaram a oferecer cursos, palestras, bate-papos, clube de cinema, almoço e até happy hour. O Templo, por exemplo, é um coworking que, além das estações de trabalho, funciona como um clube e transformou o seu espaço em cenário para exposições, cineclube, palestras, workshops, aulas de meditação e de ioga.  

Já o Fazedoria oferece cursos de idiomas, iluminação, cosmética natural e de conteúdos voltados mais para o dia a dia dos participantes. “A curadoria dos cursos também é feita com base no que diz o slogan daqui, do fazer acontecer, e por isso eles têm um caráter mais prático. A coisa de querer fazer e de movimentar a economia criativa faz parte do nosso DNA”, explica Marcos de Oliveira, gerente do coworking, em entrevista ao jornal O Globo 

Mantendo o espírito colaborativo, que é a essência do coworking, grande parte das atividades oferecidas nestes espaços acontecem por sugestão dos clientes (em alguns casos, são organizados por eles) e atraem um público bastante diverso, que não necessariamente frequenta os espaços no dia a dia. Provas de que a máxima “juntos somos mais” (e melhores) tem feito cada vez mais sentido.