Postado em

O FUTURO DAS PROFISSÕES: ESTAMOS PREPARADOS?

Vamos ser substituídos por robôs? Você possivelmente já fez esta pergunta ou a debateu em alguma roda de conversa. Afinal, nas últimas duas décadas, vivenciamos um período de transformações tecnológicas extremamente impactante. No campo do mercado de trabalho, a tecnologia melhorou estruturas e agilizou processos, mas também  colocou em dúvida a necessidade de muitas profissões em um futuro próximo. “As profissões não são imutáveis. Elas são um artefato que construímos para atender a um determinado conjunto de necessidades em uma sociedade industrial baseada em impressão”, explicam os pesquisadores Richard Susskind e Daniel Susskind. Autores do livro O Futuro das Profissões: Como a tecnologia vai transformar o trabalho de especialistas humanos, lançado em 2015, eles acreditam que, conforme avançarmos como sociedade tecnológica, muitos trabalhos serão extintos por não atenderem às demandas do novo modelo do mercado.  

Segundo estimativa do DaVinci Instituteconsultoria dedicada a pesquisas sobre o futuro, 2 bilhões de postos de trabalho desaparecerão até 2030. Já um levantamento da consultoria PricewaterhouseCoopers (PwC) aponta que 48% dos trabalhadores dos EUA serão substituídos por máquinas até 2027 – na Alemanha serão 35% e no Japão 21%. O relatório The Future of Jobs and Skills (O Futuro do Trabalho e das Habilidades), publicado em 2016 pelo Fórum Econômico Mundial, aposta que inteligência artificial, robótica, nanotecnologia e impressão 3D serão algumas das áreas que movimentarão o mercado do futuro. Já funções de apoio à gestão e trabalho operacional tendem a ser eliminadas total ou parcialmente. “Profissões que são muito repetitivas obviamente serão substituídas por softwares. E as que são por natureza muito humana, como serviços de cuidadores e de atendimento, tendem a ter seus valores pressionados para baixo em razão da robotização, por exemplo”, analisa Arthur Igreja, especialista da multiplataforma AAA, em entrevista ao IDGNow.

Richard e Daniel Susskind destacam que, apesar da extinção de muitos trabalhos, outras profissões serão criadas. Em sua palestra no Fórum Econômico Mundial, em 2017, Jeff Weiner, CEO do LinkedIn, destacou que 2 milhões de novos trabalhos deverão ser criados nos próximos quatro anos dentro dessa dinâmica. De acordo com uma pesquisa da consultoria McKinsey, para cada posto de trabalho eliminado pelo avanço da tecnologia, 2,4 novos serão criados, especialmente em startups. Envoltos em um cenário tão complexo e em rápida transformação, fica a dúvida: estamos preparados para este futuro já tão presente? A resposta é sim se entendermos que o novo mercado vai priorizar profissionais mais focados em desenvolver sua vida profissional como um todo do que em constituir carreira. Para entender melhor isso, precisamos fazer uma breve análise histórica da relação do homem com o trabalho nos últimos dois séculos.   

O TRABALHO ONTEM, HOJE E AMANHÃ
Há 50 anos, o objetivo de qualquer profissional era conquistar um emprego fixo e estável. Naquela época, entrava-se jovem em uma empresa e de lá só saia aposentado, em geral na mesma função. Na década de 1990, a geração X entra em cena e muda as regras do jogo. O objetivo profissional passa a ser criar currículo, mudar de cargo, ganhar mais dinheiro. Neste ponto, experiência vale muito e trocar de empresas durante a vida profissional é uma opção viável e eficaz. 

Após este período, mudanças econômicas e, principalmente, avanços tecnológicos reconfiguraram o mercado de trabalho e obrigaram empresas e profissionais a se reinventarem. É o começo da chamada era da freelancer economy, ou economia sob demanda, que vivenciamos nos dias de hoje, em que profissionais assumem o controle da própria carreira e se reinventam constantemente não apenas para atender a uma demanda de mercado, mas também em busca de uma realização pessoal. 
No futuro, a tendência, de acordo com os pesquisadores, é que deixaremos de enxergar o trabalho em termos de profissões, como médicos e advogados, por exemplo, e passaremos a entendê-lo como tarefas. Em um mundo cada vez mais tecnológico e digital, serão analisadas quais tarefas podem ser desempenhadas por máquinas, quais só podem ser feitas por seres humanos e quais podem ser feitas em conjunto, homens e máquinas (robôs ajudando médicos em cirurgias, por exemplo, algo que já é uma realidade).  

Para os especialistas, terão espaço neste novo contexto de mercado os profissionais flexíveis, criativos, críticos, empáticos, dispostos a mudar, aptos a desempenhar múltiplas tarefas e, principalmente, preparados para solucionar problemas. Habilidades que não são necessariamente adquiridas em cursos de especialização, mas que estão incutidas em cada um de nós e se desenvolvem no decorrer da vida. “Em um mundo onde o conhecimento está crescendo em velocidade exponencial, vão dar certo as pessoas que tratarem as suas profissões como grandes oportunidades aceleradas de aprendizado na teoria e na prática. Como processos de tentar, errar e aprender dinamicamente, no tempo dos acontecimentos”, analisa o cientista Silvio Meira, um dos mais importantes nomes do país ligados à inovação e ao empreendedorismo. É até irônico pensar que, em um mercado cada vez mais tecnológico, a capacidade humana (e singular) tende a ser o grande diferencial do futuro. Viva a nossa humanidade!