Postado em

EM BUSCA DA PLENITUDE DA CONSCIÊNCIA

No mundo hiperconectado e em constante transformação no qual vivemos, o estresse é umas das enfermidades mais presentes. Situações de estresse costumam liberar cortisol no organismo, hormônio que interfere diretamente no funcionamento do nosso sistema imunológico. Não à toa, a doença está associada ao desencadeamento de outras enfermidades crônicas que estão entre as que mais matam no mundo, como diabetes, obesidade e depressão.   

Além do estresse, a correria em que vivemos também nos provoca uma sensação constante de não estarmos totalmente presentes nas situações que vivenciamos. O famoso viver no modo piloto automático. “Não estamos atentos ao que fazemos em 47% do nosso tempo”, afirma Marcelo Demarzo, professor do Departamento de Medicina Preventiva da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), em entrevista ao Nexo 

Demarzo é coordenador do programa Mente Aberta, criado em 2011, o primeiro núcleo no país focado no mindfulness (ou atenção plena, em livre tradução), uma prática de meditação que tem conquistado cada vez mais adeptos no Brasil e no mundo interessados em combater o estresse e em manter-se atento ao que acontece com a própria mente e com o próprio corpo no presente, no agora. Inspirado diretamente na prática do budismo, o método foi introduzido no ocidente pelo médico norte-americano Jon Kabat-Zinn na década de 1970. Desde sua criação, inúmeros estudos foram feitos para avaliar os seus benefícios à saúde humana. Segundo reportagem da revista Superinteressante, uma das pesquisas mais abrangentes sobre o assunto analisou o impacto do programa em 93 indivíduos diagnosticados com transtorno de ansiedade – problema que afeta um terço da população mundial segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Cientistas do Hospital Geral de Massachusetts, nos EUA, descobriram que a técnica diminuiu drasticamente os índices de estresse e a sensação de desespero frente a problemas. 

Um estudo feito pelo Hospital Israelita Albert Einstein, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e o Instituto Appana Mind revelou que uma hora e 15 minutos de ioga e meditação três vezes por semana, ao longo de dois meses, cortou pela metade a concentração de cortisol de uma turma em que a ansiedade atingia índices alarmantes, os cuidadores de doentes com Alzheimer. 

Não à toa, médicos e especialistas em saúde pública defendem a aplicação do método em tratamentos – no Reino Unido, o mindfulness já é oferecido no sistema público de saúde desde 2009. Entretanto, o crescente número de adeptos à prática transformou o mindfulness em um negócio extremamente lucrativo e criou ramificações e conceitos que, segundo especialistas, podem ser prejudiciais à saúde humana.  

 O OUTRO LADO DA MOEDA
Em 2015, o mindfulness já era um mercado avaliado em US$ 1 bilhão nos EUA, de acordo com matéria da revista Fortune. Segundo reportagem do Chicago Tribune, os aplicativos de meditação Calm e Headspace (os mais famosos) estão hoje avaliados em US$ 250 milhões. Em junho deste ano, o Headspace anunciou a intenção de buscar a aprovação do Food and Drug Administration (FDA), ligado ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, para criar uma versão de seus programas prescrita por médicos.  
Atualmente, a técnica tem sido vendida pelo mercado como um processo que cura diversas doenças, algo que preocupa especialistas. “Muitas pessoas acreditam que a meditação resolve tudo instantaneamente e que não importa o que há de errado com você: ao começar a meditar tudo fica bem. E isso claramente não é o caso”, explica Sara Lazar, pesquisadora e professora de psicologia da Universidade de Harvard, em entrevista ao Chicago Tribune. Pesquisas recentes mostram que a meditação pode ter um impacto negativo em alguns casos e contribuir para o desenvolvimento de psicoses em pessoas que sofreram um trauma grave ou que têm transtorno bipolar ou esquizofrenia, por exemplo.  

Há hoje versões de mindfulness para tudo, desde passear com o cachorro até fazer sexo. Um dos ramos mais lucrativos tem relação com o aumento da produtividade no trabalho. O programa Search Inside Yourself, da Google, é um deles. A iniciativa é baseada no trabalho do ex-engenheiro da empresa Chade-Meng Tan e o transformou no atual guru das empresas. Ironicamente, um recente estudo apresentou indícios de que o mindfulness pode ter um impacto reverso quando se trata de motivação. “Esta pesquisa diz que depois de uma sessão de mindfulness as pessoas se sentem muito bem com as coisas e, portanto, não estão ansiosas para sair e vender, vender, vender. As pessoas dizem: ‘Eu fiz tudo certo, me sinto bem, trabalhei bastante hoje. Minha empresa está indo bem o suficiente’”, explica Jeff Wilson, professor de estudos religiosos na Universidade de Waterloo, no Canadá, e autor de Mindful America (publicação referência no assunto), em entrevista ao Chicago Tribune 

Os benefícios do mindfulness já estão comprovados pela ciência e vão além de se tornar uma pessoa mais inteira, calma e presente. No entanto, ao adentrar este universo é importante escolher profissionais e programas qualificados para fazer o processo de maneira segura. Acima de tudo, é importante ter consciência que mais que melhorar as relações profissionais, familiares e amorosas, o mindfulness pode nos ajudar a melhorar a nossa relação com nós mesmos – a nossa melhor e mais duradoura companhia.