Postado em

VOCÊ SABE O QUE É UM COOL HUNTER?

Antever um comportamento, uma tendência de moda ou uma preferência cultural. Esta é a principal função de um cool hunter, ou caçador de tendências. Considerado uma “antena sensível” do seu tempo, o profissional sai às ruas à “caça” dos sinais de tudo aquilo que, em um futuro não tão distante, fará parte do dia a dia das pessoas. Não à toa, tem sido um dos profissionais mais requisitados pelas empresas nos últimos anos.

Inicialmente associado apenas ao universo da moda, hoje o cool hunter atua em setores como gastronomia, arquitetura, design, publicidade, dentre outros. Além de apresentar quais serão os novos desejos, estilos de vida, anseios e valores do consumidor, o profissional também auxilia estes setores a utilizarem estas informações na direção da inovação e da criatividade. “Tem uma palavra que usamos muito em Cool Hunting que é “zeitgeist”. Em alemão, este termo significa o espírito do tempo. Então, é isso. É como se o cool hunter radiografasse a alma da cidade”, explica Sabina Deweik, especialista no assunto há mais de 17 anos, em entrevista à revista Exame.

O termo cool hunting começou a ser utilizado na década de 1990 (em 1997, Malcolm Gladwell, colunista da revista New Yorker, já falava sobre os jovens que estavam indo às ruas atrás de tendências, o chamado the “next big thing”, para ajudar empresas como Nike e Converse a desenvolverem novos produtos). No entanto, o profissional começou a ganhar espaço no mercado a partir dos anos 2000 (no Brasil, a demanda pelo cool hunter começou a crescer a partir de 2010). Por conta disso, é considerada uma profissão do novo milênio, associada às constantes (e rápidas) mudanças dos nossos tempos.