Postado em

ARTE E TECNOLOGIA A FAVOR DA SUSTENTABILIDADE 

Super-heróis invisíveis. É esta a definição utilizada pelo grafiteiro paulistano Thiago Mundano para se referir aos catadores de materiais recicláveis. Ele é o idealizador de duas iniciativas que estão ajudando estes profissionais a terem o merecido reconhecimento em São Paulo e em outras cidades do país: o aplicativo Cataki e o projeto Pimp My Carroça 

O primeiro conquistou no início deste ano em Paris o prêmio de inovação do Netexplo, entidade que estuda o impacto social e econômico de tecnologias digitais e premia, em parceria com a Unesco, as iniciativas mais inovadoras. Descrito como um “Tinder da reciclagem” e lançado em julho de 2017, o aplicativo conecta catadores independentes de todo o Brasil a empresas ou cidadãos que queiram fazer o descarte correto de materiais recicláveis. “No mundo todo, as empresas estão gastando bilhões falando em sustentabilidade. Mas essas são as pessoas que estão agindo na prática. Ao conectá-las, podemos aumentar sua renda e ajudá-los em sua missão”, afirma Mundano.  Cada profissional cadastrado no app conta com um perfil contendo um breve histórico, foto, apelido, telefone, áreas da cidade nas quais atua e os tipos de resíduos que coleta. Por meio do aplicativo, eles conseguem fazer a negociação pelo serviço, levando em consideração a quantidade de material coletado e a distância percorrida. “Nosso foco é que os catadores sejam reconhecidos como prestadores de um serviço público, e que o aplicativo ajude a gerar mais renda para eles”, diz Carol Pires, coordenadora do Pimp My Carroça, em entrevista à BBC Brasil.  

Atualmente, o app conta com mais de 500 catadores cadastrados em quase cem municípios brasileiros. O cadastro pode ser feito pelos próprios profissionais ou por pessoas que queiram ajudá-los (a única coisa que eles precisam ter é um número de telefone para contato). Com o cadastro no aplicativo, Rosineide Moreira Dias das Neves, mais conhecida como dona Rosa, conquistou novos clientes fixos em Recife, cidade onde mora e na qual trabalha como catadora de materiais recicláveis há mais de 20 anos. “O aplicativo é muito bom porque está dando valor à gente. Está trazendo reconhecimento. Através dele, o pessoal está notando que a gente existe”, declarou, também em entrevista à BBC Brasil.  

 MAIS COR, MENOS INVISIBILIDADE, MAIS RESPEITO 
Pimp My Carroça foi o primeiro trabalho realizado por Mundano com os catadores de materiais recicláveis. Inspirado no programa de TV Pimp My Ride, que transforma carros velhos e máquinas turbinadas, o artista começou a grafitar as carroças dos catadores de São Paulo com frases como “Um catador faz mais que um Ministro do Meio Ambiente”, “Meu carro não polui!” e “Meu trabalho é honesto, e o seu?”. “A gente acredita que o catador de material reciclável faz um papel fundamental na gestão de resíduos no Brasil e no mundo. Por notarmos que eles passavam de forma invisível pela sociedade, a gente identificou que a carroça podia cumprir um papel fundamental de melhorar a autoestima e fazer com que as pessoas passassem a respeitá-los”, diz Carolina Pires, produtora cultural do Pimp My Carroça, em entrevista ao Catraca Livre 

O projeto atende os catadores em um escritório no bairro de Pinheiros e, além da pintura das carroças, também oferece kits de segurança para os profissionais (com luvas, fitas refletivas, cordas, bonés, coletes, calças e capas de chuvas) e realiza reparos na funilaria e na borracharia dos veículos, como instalação de freios e retrovisores. Desde 2012, também realiza edições itinerantes do Pimp My Carroça, evento que, além da pintura e dos reparos nas carroças, oferece exames médicos (testes de glicemia e aferição de pressão arterial), ações de beleza e atividades culturais para os trabalhadores.
A iniciativa, que conta com uma rede de 1.174 artistas e grafiteiros parceiro e 1.854 voluntários, já ajudou 1.299 catadores em 48 cidades de 13 países. “Para os catadores é super importante. Todo catador quer ter o carrinho bonito, na verdade. A gente tem o maior orgulho da carroça da gente, porque é o nosso ganha pão. O meu carrinho não tinha nem tinta, eu comprei ele, ele era sem cor, todo horrível mesmo. E eu nem ia ter condição de arrumar ele igual eles. O artista que veio deixou meu carrinho lindo então onde eu passo as pessoas já pensam diferente. E até respeitam mais. Param, perguntam quem pintou, dão parabéns. Muito bom!”, conta Cacilda Aparecida de Souza, em entrevista ao portal Vermelho. 

O sucesso do projeto incentivou a criação de outras iniciativas, como o Pimp My Cooperativa, voltada para as cooperativas de material reciclável; e o Pimp nosso Ecoponto, que revitaliza os espaços de coleta e também oferece atendimento aos catadores. Ações que ajudam a valorizar cada vez o trabalho dos nossos super-heróis invisíveis.