Posted on Deixe um comentário

BERGMAN, O CINEASTA DAS ANGÚSTIAS EXISTENCIAIS

“Eu quero que o público sinta os meus filmes. Isso é muito mais importante para mim do que compreendê-los.” Era dessa maneira que o diretor Ingmar Bergman encarava a sua produção cinematográfica, uma das mais importantes do século XX. Considerado uma das principais referências do drama existêncial no cinema mundial, o realizador sueco, que completaria 100 anos em 2018, criou filmes que discutem temas como repressão sexual, moral religiosa, relacionamentos em crise, autoritarismo nas relações familiares, solidão e o sentido da vida. Parece atual, não? 

Nascido em Uppsala, um dos principais centros religiosos da Suécia, Bergman era filho de um pastor luterano, Erik Bergman, a quem o diretor descrevia como um “monstro frio” amável na igreja, mas extremamente rígido em casa. Ele os dois irmãos cresceram em um ambiente familiar bastante rigoroso e conservador. “A maior parte de nossa educação era baseada em conceitos como pecado, confissão, castigo, perdão e misericórdia, fatores concretos nas relações entre pais e filhos e com Deus”, escreveu o cineasta na autobiografia Lanterna Mágica. Os tormentos da infância foram revisitados por Bergman no filme autobiográfico Fanny e Alexander, de 1982, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro, fotografia e direção de arte e a produção estrangeira com maior número de Oscars da história, ao lado de O Tigre o Dragão, do diretor Ang Lee. 

A lanterna mágica da autobiografia faz referência a um cinematógrafo que o irmão mais velho dele ganhou de presente de Natal e pelo qual Bergman trocou sua coleção de soldadinhos de chumbo. É também considerado por ele o momento em que teve início o seu interesse pela sétima arte – isso e as sessões de cinema em que ia com a avó (sem o pai saber) na mesma época. No quarto, sozinho, o diretor posicionava o cinematógrafo, projetava sobre a parede imagens de diversos objetos e ali criava suas primeiras narrativas. “Sempre que desejo posso trazer de volta o cheiro do metal aquecido, os odores do remédio contra traças e da poeira do guarda-roupa, sinto a manivela na minha mão, o tremor do retângulo na parede”, declarou certa vez.  

Sua estreia no cinema acontece em 1944 como roteirista do filme A Tortura do Desejo. A carreira como diretor começa em 1947 com Um Barco para a Índia. Dez anos depois, ele alcança sucesso mundial com os filmes O Sétimo Selo (épico ambientado no período da Peste Negra no qual foi criado um dos planos mais memoráveis do cinema em que um cavaleiro medieval, interpretado por Max Von Sydow, joga xadrez com a morte) e Morangos Silvestres, um drama estrelado por Victor Sjöström, considerado o pai do cinema sueco. Não à toa, o documentário Bergman – 100 Anos, da cineasta Jane Magnusson, lançado em 2018, tem como foco o ano de 1957.  

Ao longo de mais de 60 anos de carreira, Bergman criou filmes que revolucionaram a produção cinematográfica no mundo graças à sua iniciativa de subverter regras e acrescentar à linguagem do cinema novos elementos. Fora a abordagem de temáticas existenciais, tornaram-se características de seus filmes as narrativas fragmentadas; a habilidade de trabalhar com os contrastes entre luz e sombra; seu interesse por histórias protagonizadas por mulheres; e as tomadas tão próximas do rosto dos atores que fazem o público conseguir captar precisamente os medos e anseios dos protagonistas. “O close-up em um ator, quando corretamente iluminado, dirigido e atuado, continua sendo o auge da cinematografia. Aquele contato estranho e misterioso que você pode de repente experimentar com uma outra alma através do olhar de um ator. Um pensamento súbito, um sangue que escorre pelo rosto, as narinas trêmulas, a pele repentinamente brilhante ou o silêncio mudo. Esses para mim são alguns dos momentos mais fascinantes e incríveis que você irá experimentar.” 

Somam-se ainda outras obras-primas como Fonte da DonzelaSonata de OutonoPersona e Gritos e Sussurros (essas duas últimas as preferidas do diretor “Foi o mais longe a que cheguei”), o diretor foi premiado sete vezes no Festival de Cannes (incluindo a Palma das Palmas, prêmio inédito até hoje) e ganhou dois Ursos de Ouro no Festival de Berlim, um Leão de Ouro no Festival de Veneza e três vezes o Oscar de melhor filme estrangeiro. Seu trabalho influenciou diretores como Woody Allen (que homenageia Morangos Silvestres em Descontruindo Harry), Andrei Tarkovsky, Martin Scorsese, Pedro Almodóvar, François Ozon, Asghar Farhadi, Lars von Trier e Guilhermo del Toro. A Bravo! fez uma ótima seleção dos cinco filmes essenciais para entender a obra do diretor sueco. 

Bergman era integrante de uma geração de cineastas que buscava criar obras autorais (dos longas-metragens que dirigiu, apenas seis não são baseados em um roteiro que assinou), sérias e artísticas cujo valor não pudesse ser mensurado apenas pelo sucesso nas bilheterias. Além disso, seu objetivo era fazer filmes que falassem diretamente com o inconsciente coletivo do público. “Nenhuma outra forma de arte vai além da consciência ordinária como o cinema, que vai direto nas nossas emoções, fundo no crepúsculo da alma.”  

Fora o trabalho no cinema, o diretor também atuou no teatro, produzindo 126 espetáculos (costumava dizer que era um homem de teatro, sua primeira grande paixão), além de 39 peças de rádio e programas para a televisão. Em uma das cenas mais icônicas de o Sétimo Selo, a morte pergunta ao cavaleiro se ele nunca para de se questionar ao passo que ele responde “não, eu nunca paro”.  Bergman seguiu com seus questionamentos existenciais até 2003, quando se aposentou aos 85 anos. Ele morreu em 2007, aos 89 anos, sozinho em sua casa na Ilha de Faro, cenário de muitos de seus filmes. Muito mais que filmes “intelectuais”, ele deixou um legado de obras que nos ajudam a entender quem somos e qual é o real sentido da vida.  

Posted on

DA EXCLUSIVIDADE À INCLUSÃO: UMA NOVA VISÃO DO LUXO

Por Sabina Deweik, do time Humans Can Fly e professora e colunista da Escola São Paulo. 

Quando você pensa em luxo, o que vem a sua cabeça? Exclusividade, status, ostentação, marca? Este conceito vem passando por grandes transformações, acompanhando também as grandes mudanças de comportamento da sociedade. 

Existe hoje uma nova relação entre preço e valor. Na década de 80, por exemplo, aquilo que tinha um preço elevado, tinha um valor alto. Preço e valor tinham uma relação quase que direta, linear. Hoje, nem tudo que tem um preço elevado tem grande valor para as pessoas. Muito pelo contrário. Há experiências de grande valor que são gratuitas ou extremamente acessíveis: fazer download de suas músicas preferidas, ter conexão wi-fi, tomar uma xícara de café com seu melhor amigo ou simplesmente poder se desconectar.
Grande parte das pessoas está deixando para trás o velho conceito do que é luxo no qual o sentido era ter algo que denotava status social. O exibicionismo vai dando espaço para o consumo de luxo ligado a experiências autênticas e empáticas.  

Essa nova visão, me remeteu a um documentário que assisti recententemente: “Minimalism: a documentary about the important things” (Minimalismo: um documentário sobre as coisas importantes), disponível na Netflix. No filme, os amigos de infância Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus, os personagens principais, resolvem largar uma carreira estabelecida e um cargo no qual ganhavam um salário de dois dígitos para viver com mais satisfação e menos coisas. A partir daí, escrevem um livro sobre essa experiência e partem para uma viagem pelos EUA para promover o livro. 

Há quem critique a visão de que reduzir, ter menos poder financeiro, trará mais felicidade. Porém, analisando o documentário do ponto de vista dos movimentos sociais emergentes, me dou conta da importância deste tema na atualidade.
Ao longo do filme, especialistas de diversas áreas mostram alguns motivos pelas quais povos ocidentais perpetuam o fenômeno do consumismo desenfreado: a propensão a comprar compulsivamente por conta de sentimentos positivos que este hábito proporciona, a publicidade e o barateamento de produtos, como roupas e eletrônicos. Um dos autores e pensadores que admiro muito, Gilles Lipovetsky se debruça sobre essa questão pontuando no livro A Era do Vazio os efeitos da cultura na qual estamos inseridos: “A cultura pós-moderna é voltada para o aumento do individualismo, diversificando as opções de escolha, cada vez mais opções de escolha sobre tudo em uma sociedade de consumo; levando a perda de uma visão crítica sobre os objetos e valores que estão a nossa volta”. Sobre essa questão do valor venho me questionando imensamente: Qual o valor de X na minha vida? Para que?  consumo consciente coolhuntingQuestionar-se sobre o “para que” e não sobre o “porque” de algo abre uma perspectiva de qual o real valor daquela coisa, daquela experiência para cada indivíduo. Assim, a ideia perpetuada até hoje de que os bens devem ser consumidos mais rapidamente e em maior volume vai se desconstruindo. O Lowsumerism (união das palavras em inglês “low“- baixo com “consumerism” – consumismo), tendência crescente, vêm confirmar estas novas direções. O movimento, que vem ganhando adeptos em todo o mundo, tem como proposta repensar a lógica de consumo na busca por mais consciência e equilíbrio na hora de comprar.  

Ele se instala como uma alternativa a nossa herança consumista desde a Revolução Industrial e do modelo Fordista (nome em homenagem ao criador do método, o americano Henry Ford), que disseminava a produção em série.

Desde lá, a sociedade e o ideal de consumo foi crescendo com o chamado sonho americano e o atual esgotamento do planeta.  

Por coincidência ou não, este ano de 2018, mais especificamente o dia 1 de agosto, foi considerado pela ONG Global Footprint Network, o dia da sobrecarga da terra: em apenas 212 dias de 2018, os 7,4 bilhões de habitantes do Planeta Terra esgotaram os recursos naturais de comida, água, fibra, solo e madeira disponíveis para os 365 dias do ano. Traduzindo em miúdos: a humanidade está em dívida com a natureza. De acordo com a ONG, se não mudarmos nosso padrão de consumo, antes de 2050 precisaremos de dois planetas Terra para conseguir suprir todas as nossas necessidades. Quando pensamos nesta escala de valores, nos damos conta de que o Lowsumerism não é nem mesmo uma tendência. Eu chamaria de emergência. 

No rastro do Lowsumerism surgem outros movimentos como o upcycling; o reaproveitamento de materiais antigos ou que seriam descartados e a economia do compartilhamento; a sharing economy. A era da posse dá lugar a era do acesso: Uber, Airbnb, Coworking, bicicletas compartilhadas, Spotify, Netflix. Hoje é possível alugar uma incrível bolsa de uma marca de luxo e devolvê-la para que outro use, é possível se hospedar numa casa dos sonhos por um bom custo-benefício através de ferramentas como o Airbnb ou ainda trabalhar em um local incrível e conhecer pessoas, como é o caso dos co-workings, sem precisar pagar uma fortuna por um escritório.  Você usufrui, mas não possui. O desejo de consumo não cessa, apenas você não tem mais a posse do produto. Segundo as projeções da consultoria PwC, a economia compartilhada deverá movimentar mundialmente US$ 335 bilhões até 2025 — 20 vezes mais do que se apurou em 2014, quando o setor movimentou US$ 15 bilhões.Consumo consciente empreendedorismo cool huntingNeste sentido, as novas gerações têm sido extremamente importantes para este impulsionamento e para a ressignificação do luxo, imprimindo valores como sustentabilidade, propósito, autenticidade e transparência. 

No relatório “Millennials Drive The Sharing Economy”, conduzido pelo analista da Forrester Jonathan Winkle, a taxa de uso dos Millennials em negócios compartilhados é mais do que quatro vezes maior do que a dos Baby Boomers. Os dados revelam de fato que os Millennials impulsionam a economia compartilhada, em parte porque detêm valores diferentes dos consumidores mais antigos. 

As gerações mais jovens gastam mais em experiências do que em produtos materiais. 

Sinal dos novos tempos é o evento recém lançado em junho de 2018 em Arnhem, Holanda, o State of Fashion, uma iniciativa que apoia e ativa a busca mundial por uma indústria da moda mais justa, limpa e sustentável, conectando designers, empresas, governos, instituições educacionais e consumidores de moda e têxtil. Com o tema “Buscando o Novo Luxo”, as novas definições são exploradas como resposta às urgentes demandas ecológicas e sociais de hoje: menos desperdício e poluição, mais igualdade, bem-estar e inclusão – valores muito cultuados tanto pela geração dos Millennials como pela geração z.  

É dentro deste contexto que o luxo exclusivo vem dando lugar ao luxo acessível e inclusivo. Entramos na era dos Experiential Seekers – consumidores que passam a ter valores pós-materialistas e buscam por experiências intensas e com significado. E para você o que é o verdadeiro luxo?  

Posted on

O NOVO MUNDO JÁ É FATO! COMO SE CONECTAR COM ELE?

Por Danilo España, do time Humans Can Fly e colunista da Escola São Paulo. 

Muito se fala sobre um Novo Mundo que está emergindo. Mas afinal, que mundo é esse? Que diferenças ele tem para o mundo atual e como encaramos essa transição? 

Nova Era, Despertar da Consciência, Mundo em Transição, Amanhecer da Galáxia, Nova Ordem Mundial, etc… chame como quiser. Diferentes religiões e culturas ancestrais predisseram que mudanças radicais aconteceriam do período que vivemos em diante. Eles estavam certos? Acredito que sim! 

Participamos de um momento incrível da história da humanidade, onde nunca houveram tantas possibilidades de se experimentar uma nova maneira de pensar, sentir e viver. Cada vez mais pessoas estão buscando por um propósito de vida, querendo trabalhar com algo que faça sentido e lhes dê satisfação verdadeira, querendo sentir que estão colaborando com o mundo em que vivem, buscando mais práticas físicas, mentais e espirituais para alcançar um maior equilíbrio na vida. O acesso à informação e capacidade de organização se multiplicou exponencialmente com a conectividade, a utilização otimizada de espaços e serviços se popularizou através de aplicativos, a espiritualidade passou a ter importância fundamental para a qualidade de vida das pessoas, a tecnologia nos poupou tempo em atividades burocráticas e o compartilhar se tornou uma das palavras mais pulsantes da atualidade. 

Essas características ancoram uma enorme potencialidade, mas para atingir um pleno potencial é preciso que sejam nutridas por certos princípios. Felizmente há indicadores que apontam para uma direção positiva. Termos como: empatia, gratidão, diversidade, interdisciplinaridade, ética, horizontalidade, visão sistêmica, espiritualidade, liderança holística, unidade, sustentabilidade em latu sensu, entre outros, são ouvidos com mais frequência nos últimos tempos.  O que relatei até agora são alguns sinais emergentes do chamado Novo Mundo, que funcionam como uma espécie de norte se desejarmos seguir um caminho evolutivo. Em contrapartida, percebemos que muitas das nossas atitudes como humanidade até hoje se mostraram bastante inconsequentes. Está evidente que certos sistemas e comportamentos precisam ser repensados, simplesmente porque estão nos levando a lugares que não desejamos estar. Se insistirmos no mesmo raciocínio é fato: se apagará a luz no fim do túnel.  Sem querer tirar o mérito preditivo das religiões e culturas ancestrais, acredito que  nós enquanto seres humanos, demos substrato suficiente para que notassem que nosso modus operandi já aponta que estamos indo pelo caminho errado há muito tempo. Por isso não precisamos devanear na ideia de que o novo mundo é algo transcendental, que surgiu do nada. Essa nova maneira de agir, sentir e pensar é a mais legítima tentativa de mudar pra melhor o rumo do nosso planeta e da nossa condição enquanto espécie. 

O curioso é que os valores e princípios por trás das características do Novo Mundo são “eternos”, ou seja, sempre existiram e sempre existirão, o que precisamos é ressignificá-los. E foi quando mais nos aproximamos deles, que a humanidade deu seus maiores e mais consistentes passos, se desenvolveu e prosperou. A questão é que nos distanciamos disso de alguma forma, ficamos ludibriados pelas novidades, ignorando o que nos trouxe até aqui, nos deslumbrando pela ganância, individualismo, poder e acabamos gerando uma desconexão com o outro e com nossa própria essência. Perdemos o real senso de comunidade e experimentamos a perda da nossa humanidade… 

O Novo Mundo está aí, compartilhando seus sinais a quem quiser observar. Está dada a grande oportunidade de resgatarmos as caraterísticas primordiais que nos tornam humanos. Não são devices ou a tecnologia os responsáveis por essa transição, eles podem ser meios e catalizar processos, mas a verdadeira transição só será realizada por aqueles que se atentarem a esses princípios, se dedicarem a entendê-los profundamente e os praticarem em suas vidas, pessoal e profissionalmente. 

Via Exame

Posted on

MODA COMO REFLEXO DA HISTÓRIA

Considerado um dos grandes nomes da moda nacional na atualidade, o estilista baiano Issac Silva cria coleções que abordam questões ligadas à ancestralidade negra. Seu último desfile na Casa de Criadores, em julho, contou apenas com modelos negras e trans na passarela e homenageou Xica Manicongo, a primeira travesti brasileira. A coleção foi composta por vestidos e conjuntos com estampas africanas em preto e branco que traziam nas etiquetas o nome da cada modelo. “Sempre em minhas coleções busco a verdade da nossa história. Exaltando a importância das mulheres e sua força e beleza”. Nesta entrevista, ele fala um pouco sobre moda, política e representatividade:
Escola São Paulo Seu desfile foi uma celebração e também um manifesto sobre identidade trans e feminismo negro. Como surgiu a ideia de fazer uma coleção com esta temática? 

Issac Silva Minhas coleções sempre falam sobre diversidade, pluralidade, este é o DNA da minha marca. Eu fiz a coleção Xica Manicongo para mostrar que desde 1591 a mulher trans está invisibilizada na nossa sociedade. Fiz o desfile para mostrar que moda é muito mais que roupa, é uma ferramenta para se falar sobre tudo. 
Escola São Paulo Qual foi a sua intenção ao colocar nas etiquetas o nome de cada modelo participante? 

Issac Silva A intenção foi homenageá-las. Cada peça que foi desfilada vai ter o nome de quem a vestiu.  

Escola São Paulo Em tempos de economia colaborativa, temas como diversidade, sustentabilidade e incentivo ao trabalho autoral estão cada vez mais em pauta. Como você enxerga estas questões no universo da moda?

Issac Silva Vejo como o futuro da moda, ela muda conforme os tempos. Eu estou bem feliz com esta grande mudança. Marcas e estilistas devem acompanhar, pois os modos das modas mudam. 
Escola São Paulo Levando em consideração os temas que você aborda em seus desfiles, podemos concluir que você enxerga a moda como uma plataforma ativa de posicionamento político e consciência social?  

Issac Silva Ela [a moda] sempre foi uma plataforma de posicionamento político e consciência social, a diferença é que as marcas não dialogavam com o seu tempo e nem com os novos tempos. No atual momento, ficou inadmissível estar na moda e invisibilizar as mulheres reais, o colorismo do Brasil. Eu sou a nova geração, o que tem de frescor, pois a moda voltou à estaca zero e, neste momento, é a hora de plantar para pode colher bons frutos nos próximos anos.

Posted on

O MUNDO TODO EM UM SÓ LUGAR

“São Paulo é como o mundo todo”, afirmou Caetano Veloso na canção Vaca Profana, lançada em 1986. Historicamente composta por imigrantes de diversas regiões do mundo, a cidade ampliou nos últimos anos a sua variedade linguística, um reflexo direto do que é considerado o maior fluxo migratório forçado da história da humanidade – de acordo com a ONU, atualmente 65 milhões de pessoas vivem em situação de refúgio no mundo.   

De acordo com pesquisa realizada pelo Observatório das Migrações em São Paulo, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), entre os anos 2000 e 2015 foram registrados mais de 879 mil imigrantes internacionais no Brasil. Destes, quase 368 mil se estabeleceram no Estado de São Paulo vindos de 71 países (120 mil apenas na cidade de São Paulo) – a maior parte da Síria e da República Democrática do Congo.
Muitos chegam ao país foragidos de guerras civis, conflitos religiosos e em busca de melhores oportunidades. São, em sua maioria, homens, com idade entre 30 e 34 anos. Das mulheres, 55% estão desempregadas ou em empregos precários. Grande parte deles sofre para se adaptar à nova vida, seja pela barreira linguística, pela dificuldade em conseguir trabalho ou pelo preconceito que enfrentam. O documentário Cara do Mundo retrata justamente essa adaptação dos imigrantes à cidade. Produzido por estudantes da Escola de Jornalismo da Énois, o filme traz depoimentos de oito imigrantes, vindos de países como Síria, Haiti, Senegal, Bolívia e Japão, e está disponível para download no site Video Camp.

CRIANDO PONTES 
Para ajudá-los a recomeçar a vida na cidade, instituições religiosas e profissionais das mais diversas áreas se uniram e criaram projetos com o objetivo de facilitar o processo de adaptação e promover a aproximação entre os imigrantes e os moradores da capital. É o caso do Movimento Estou Refugiado, iniciativa que tem como lema “o preconceito acaba quando a compreensão começa”. Criado por Gisela Rao e Luciana Capobianco, o projeto estruturou um banco de currículos e agenda reuniões com equipes de RH de diversas empresas com o intuito de ajudar os profissionais imigrantes e se inserirem no mercado de trabalho local.

Os integrantes da iniciativa também propuseram um crowdsourcing para arrecadar bilhetes de ônibus após perceberem que muitas vezes os imigrantes perdiam oportunidades de entrevistas de trabalho pelo fato de não terem dinheiro para o transporte. A ação resultou em mais de 1.500 ofertas de emprego e mais de 500 refugiados efetivamente empregados. Além disso, o projeto está realizando entrevistas com refugiados, fazendo pesquisas, escrevendo artigos e editando vídeos, para montar uma biblioteca sobre o assunto, e abriu a Planisfério Causas, empresa social que desenvolve produtos e serviços e garante a autonomia do movimento. O primeiro serviço já está funcionando: o lava-rápido Kosukola.   Outra iniciativa que tem ajudado os imigrantes a se integrarem à cidade é o Abraço Cultural. Criado em 2015, por André Cervi e Daniel Assunção, o negócio social tem refugiados como professores de cursos de idiomas (como francês, inglês, espanhol e árabe) e cultura (dança, literatura, cinema, história, política e curiosidades). Com atuação em São Paulo e também no Rio de Janeiro, a ação promove a troca de experiências, a geração de renda e a valorização pessoal e cultural dos refugiados residentes no Brasil que em seus países atuavam como advogados, engenheiros, cineastas, professores universitários. “Não queremos ser assistencialistas. Queremos mudar paradigmas através da troca cultural e da valorização das habilidades dos refugiados”, explica André, em entrevista ao Draft.  

Todos os professores selecionados passam por um treinamento e ajudam na atualização do material didático da escola, bastante focado nas experiências culturais dos imigrantes. O projeto oferece cursos regulares, intensivos, individual e in company com aulas durante a semana e aos sábados com duração de quatro meses. “Quero quebrar o estigma da guerra e mostrar aos brasileiros que a Síria é um país com uma cultura e história muito ricas”, afirma Ali Jeratli, professor de árabe.  

Atuando em São Paulo desde 1940, na região do Glicério, no centro da cidade, a Missão Paz, da Congregação dos Missionários de São Carlos, auxilia sete mil pessoas por ano de países como Haiti, Bolívia e Peru. “Vejo que a cidade abriu caminhos para acolher bem quem vem de fora. Mas ainda sinto que é preciso fazer uma mobilização no sentido de melhorar a relação”, avalia o padre Antenor João Dalla Vecchia, em entrevista ao Estadão. “Infelizmente, ainda ocorrem manifestações de rechaço, de xenofobia, de preconceito.”
Desde 1969, o projeto mantém o Centro de Estudos Migratórios e criou, em 1970, a Casa do Migrante na qual vivem 110 pessoas em processo de adaptação à cidade. “O imigrante chega com a mala e o desejo de reorganizar sua vida, reconstruir seu futuro. É claro que necessita de um atendimento muito específico, muito particular. Oferecemos um local onde ele pode guardar suas coisas, iniciar sua trajetória e se regularizar do ponto de vista legal”, explica. 

A Missão Paz também oferece palestras sobre a cultura brasileira e auxilia na recolocação profissional dos imigrantes. “O importante é passarmos a mensagem de que as migrações vêm para acrescentar. Não podem ser entendidas como algo ruim para a cidade”, comenta. “Elas vêm para formar a nossa cultura, somam de forma positiva.” 

Posted on

SER CHIC É…!

Rodrigo Polack responde!   

Holly Golithtly desembarca de um táxi amarelo e para em frente à vitrine da Tiffany & Co. (a joalheria mais famosa do mundo, fundada em 1837). Nas mãos, um copo de café e um croissant, em plena Quinta Avenida, em NY. Ao som de Moonriver, a cena de abertura de Breakfast At Tiffany’s (Bonequinha de Luxo) dura apenas dois minutos, e está há 57 anos no imaginário de gerações, quando o assunto é elegância e sofisticação.   

Claro que ter Audrey Hepburn como intérprete e um look criado exclusivamente por Hubert de Givenchy, enriquece qualquer roteiro, mas o segredo não está em TUDO isso. Está na postura e na forma de andar com o longo preto sem fendas, na delicadeza ao comer o croissant (em pé e com as mãos vestidas em longas luvas) e ao destampar o copo de café.  Esses detalhes podem passar despercebidos diante de tanto glamour, mas ao meu olhar, são protagonistas e definem a palavra CHIC.   Afinal, o que é ser CHIC? Para muitas, um clássico vestido preto bem cortado + anel de brilhantes + óculos enormes Jackie O + scarpin preto, acompanhados de um bom corte de cabelo na altura dos ombros, definem esteticamente essa mulher. Sinto dizer para essas, que o “embrulho” não passa de um mero figurino, se algumas características (bem fora de moda nesse século!) não andarem juntas.   Lembra do álbum de figurinhas AMAR É, láááááá dos anos 80? Pois então, o usei como inspiração para fazer minha listinha abaixo. 

– Ser CHIC é… dar bom dia, boa tarde e boa noite no elevador.  

– Ser CHIC é… saber ouvir, mais que falar.  

– Ser CHIC é… tratar bem quem te trata bem.  

– Ser CHIC é… dizer obrigado como retribuição.  

– Ser CHIC é… não começar mensagens de WhatsApp sem um simples “Oi!”.  

– Ser CHIC é… não falar alto na mesa do restaurante.  

– Ser CHIC é… não obrigar ninguém a fazer o que não quer.  

– Ser CHIC é… não deixar vazar o som do headphone.  

– Ser CHIC é… voltar com o peso anterior do aparelho, depois de pedir para revezar na academia.  

– Ser CHIC é… gente bem humorada.  

– Ser CHIC é… olhar nos olhos.  

– Ser CHIC é … não ser racista, homofóbico, machista, sexista, xenófobo e misógino.  

– Ser CHIC é… ter bom senso.  

– Ser TRÈS CHIC é… ter educação.   

Não adianta em nada torrar seu rico dinheirinho em labels, labels e mais labels, com peças exclusivíssimas, frequentar as melhores festas e ser amigo de fulano ou coisa e tal, se você não tiver boa parte das qualidades acima. Não se iluda, está escrito em sua testa (em letras garrafais em neon pink!), e TODOS (mesmo os puxa-sacos) sabem quem você realmente é.   

Agora, se for o contrário, podemos ser grandes amigos. O mundo anda idiota demais, dando importância à gentinha, e pessoas especiais de verdade… ah, essas são realmente as mais inteligentes. Só um dado importante… Holly Golithtly, com todo seu garbo, era uma prostituta. De onde veio, com quem se relacionava e como ganhava a vida era o que menos importava. Ela sim era uma bonequinha que sabia o que é SER luxo. 

Rodrigo Polack é stylist há 15 anos, professor da Escola São Paulo no curso Styling, apresentador do programa 5 Looks, no Discovery Home & Health, ao lado de Chris Flores e colunista semanal da Revista QUEM Inspira. Clique aqui para ler a matéria original!

Posted on

O QUE TE FAZ FELIZ?

“Felicidade é a certeza de que a nossa vida não está se passando inutilmente”, disse o escritor Érico Veríssimo. Já o compositor popular Odair José decretou na canção A Noite Mais Linda do Mundo: “felicidade não existe. O que existe na vida são momentos felizes.” Independentemente da linha de pensamento, é fato que a busca pela felicidade sempre foi uma constante na história da humanidade. Dentro do mundo capitalista, essa busca foi automaticamente associada com a aquisição de bens materiais (roupas, aparelhos eletrônicos, carros, imóveis), intervenções estéticas e, claro, a procura constante por mais e mais dinheiro. Não é preciso dizer que com o tempo o modelo se mostrou equivocado para este fim.  

Em 2008, o Butão, um país de 750 mil habitantes, localizado entre a China e a Índia, tornou-se assunto em todo o mundo ao divulgar a implementação de uma nova medida que se propunha a aferir a felicidade de seus habitantes. Batizada de Felicidade Interna Bruta (FIB) ou GNH (Gross National Happiness), a ideia surgiu após uma declaração do rei Jigme Singye Wangchuck, na década de 1970. Questionado por um jornalista a respeito do baixo desenvolvimento do seu país e a total dependência econômica da Índia, o monarca respondeu que o progresso do Butão não deveria ser medido em consumo e riquezas, ou pelo Produto Interno Bruto (PIB), mas pela felicidade da sua população.  Apesar de ser considerado um país “não desenvolvido” pela Organização das Nações Unidas (ONU) (entre as razões para esta classificação estão o fato de metade da sua população adulta ser analfabeta e o salário mínimo girar em torno de US$ 100), o Butão figura entre as dez nações mais felizes do mundo, com baixos índices de violência e fome zero. “A filosofia da FIB é a convicção de que o objetivo da vida não pode ser limitado a produção e consumo seguidos de mais produção e mais consumo, de que as necessidades humanas são mais do que materiais”, explica Thakur S. Powdyel, diretor do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Educacional da Universidade Real do Butão, em entrevista à revista Superinteressante.  

A medida é baseada em quatro pilares: 1) desenvolvimento socioeconômico sustentável e equitativo, 2) conservação ambiental, 3) preservação e promoção do patrimônio cultural e 4) boa governança. Além disso, conta com nove domínios e diversos indicadores que avaliam questões como quantas vezes na semana a pessoa teve sentimentos positivos, como compaixão e perdão, ou negativos como inveja e raiva. Apesar de ter sido implementado oficialmente no país apenas em 2008, o FIB norteia todas as políticas públicas do país há quatro décadas e foi se aprimorando ao longo dos anos.  

Para Kalinka Susin, brasileira que atua no país como professora no Royal Thimphu College, a felicidade da população do Butão tem mais relação com a cultura do país do que com as ações propostas pelo FIB. “São os valores budistas de colaboração, de convivência em comunidade. O coletivo vale mais do que o individual. O butanês tem uma relação com a família estendida. A família butanesa não é nuclear, nunca foi, não é pai, mãe e filhos. Os filhos são criados por membros próximos que podem criá-los. Os homens migravam para fazer a colheita: a mulher é a terra e o homem era mais migrante. Os filhos eram criados pelas mulheres da comunidade. O butanês tem uma noção de irmandade que vem do budismo, ele valoriza muito a família e a ecologia à qual ele pertence”, explica, em entrevista ao portal G1.  Até 2005, o ensino sobre o FIB era realizado apenas nos templos budistas e nos centros comunitários. A partir daquele ano, o governo criou o projeto 2020 do FIB que tem como meta fazer com que toda a sociedade butanesa internalize os conceitos da Felicidade Interna Bruta. Isso porque, em 2015, relatórios oficiais registraram um aumento de pessoas infelizes no país, em comparação com os dados de 2010. O resultado tem ligação com o aumento da migração do campo para cidade e os impactos da globalização. “A pressão materialista mundial é tamanha que, se não educarmos nossos cidadãos desde a infância sobre o assunto, não conseguiremos perpetuar nosso maior bem social que é a felicidade”, reflete o monge Khenpo Phuntsok Tashi, diretor do Museu Nacional do Butão, em reportagem do Projeto Draft.  

A FELICIDADE ESTÁ NO EQUILÍBRIO 
Recentemente, a ONU passou a adotar o FIB como um de seus indicadores para medir o desenvolvimento de uma nação. “Ela considera o bem-estar psicológico, que inclui questões como autoestima e estresse; políticas de saúde e hábitos que prejudicam ou melhoram a saúde; o uso do tempo, incluindo tempo para lazer e para a família; a vitalidade comunitária, ou seja, o nível de interação com a sociedade em geral; a educação, a cultura e as oportunidades de desenvolver atividades artísticas; o meio ambiente, ou seja, a percepção da população em relação à qualidade da água e do ar, bem como o acesso a áreas verdes; a governança; a representatividade social em órgãos públicos; e, por último, o padrão de vida, a renda familiar e a qualidade de moradia”, explica Emanuele Seicenti de Brito, professora Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (FEA-RP) da USP, em entrevista à Rádio USP.
As ideias por trás do FIP estão reverberando no ocidente de diversas maneiras. No início deste ano, economistas apresentaram durante o Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos, uma alternativa ao PIB. Batizado de Índice de Desenvolvimento Inclusivo (IDI), o novo indicador econômico leva em consideração 11 aspectos econômicos agrupados em três pilares: crescimento, desenvolvimento e inclusão. Além disso, muitas empresas passaram a utilizar o FIP (com adaptações) como uma possibilidade de criar ambientes mais humanizados e felizes para os seus colaboradores priorizando, por exemplo, o equilíbrio entre vida profissional e pessoal. “No FIB, o emprego é visto como uma entre muitas atividades produtivas, incluindo ser pai e mãe.”, explica o médico Michael Pennock, consultor da ONU para internacionalização do indicador, em entrevista à revista Época.  

Karma Dasho Ura, coordenador das pesquisas do FIB no Butão, destaca que outra questão revista a partir do indicador é a jornada de trabalho. “Seis horas de trabalho energético são suficientes. O resto do dia deveria ser liberado para lazer cultural, socialização, atividade física”, afirma, também em entrevista à Época. “Gente infeliz não projeta nada novo”, acrescenta. “É interessante as empresas pensarem da forma reversa: não produzir mais para ser feliz, mas sim ser feliz para produzir mais. Colocar a felicidade em primeiro lugar”, complementa a professora da USP Emanuele Seicenti de Brito.

Posted on

MODA E MÚSICA TEM A VER?

Rodrigo Polack responde! 

Hoje, logo pela manhã, ao pesquisar alguns vídeos no Youtube, me deparei com um especialíssimo — e me emocionei de imediato. Tinha a mais que absurda cantora islandesa Bjork, se apresentando no desfile de Alexander McQueen. 

Vou (tentar!) descrever a cena: o vestido era um haute couture longo, com bordados e plumas, e uma ventania de dar inveja à Beyoncé, que fazia a islandesa flutuar na passarela. As modelos, passavam por Bjork, compondo um lindo ballet de preciosismo fashion. O evento era o Fashion Rocks, o ano 1997 e a música era Bachelorette. 

Esse vídeo curto, de três minutos e meio, desencadeou uma pesquisa por outros, também icônicos para a moda, que tivessem uma relação direta com a música. Ali estava o tema da minha coluna desta semana. 

Em seguida, digitei na busca “Viktor & Rolf + Tori Amos”. Recordei do memorável, delicado e estranhamente lindo desfile de fall/winter 2005 da dupla, em Paris. A cantora Tori Amos, de cabelos vermelhos frisados e robe de seda pink, tocada um piano de calda, numa passarela escura e dramática. Quem abriu o desfile foi Lily Cole, num vestido-casaco-edredom com direito a travesseiro e muito cabelo armado. A terceira foi Carol Trentini. Raquel Zimmermann e Cintia Dicker vieram pouco depois, para completar o time das brasileiras.  Eu, que estava há apenas 2 anos na carreira de stylist, fiquei impressionado com tamanha sensibilidade. A união de imagens lindas arquitetadas com perfeição, ao som de uma trilha tão única, criaram uma espécie de atmosfera noir, digna de um sonho do Batman. Quem já assistiu a um desfile, sabe o que é a sensação gostosa de bater o pezinho ao som da batida perfeita. 

Para mim, a moda foi, é, e sempre será emocionante. Abra os olhos e deixe os ouvidos atentos, pois quando menos esperar, cores, texturas, brilhos e formas vão  formando imagens como num passe de mágica. E nem precisa ser tão entendedor do assunto. Basta ser livre para voar. 

Jean Paul Gaultier criou o corset de Madonna para a Blonde Ambition Tour, de 1990. Dentre tantas, com certeza absoluta, é a peça mais lembrada de todo o acervo da Rainha do Pop. Basta olhar para uma foto, que toda a performance vem à mente. Com coreografia, rabo de cavalo, bailarinas e afins. Claro, para quem é da época, assistiu ou leu alguma matéria sobre o assunto.  

Madonna uma vez disse, “Não sigo as tendências, as faço!”. Mas não faz sozinha. É rodeada dos melhores designers de moda (stylists e profissionais da beleza também, of course!) que dão tudo para serem os escolhidos. Com a mesma máxima da loira ambiciosa, Maria Antonieta, esposa do Rei Luis XV, em pleno século XVIII, foi a primeira rainha a entender e usar a moda como instrumento de poder.   

No MTV Awards, também de 1990, Madonna com muitas joias, penteado monumental e um vestido riquíssimo  (que deixava seu peito quase todo à mostra, em um decote pra lá de profundo), deixou o mundo extasiado com sua performance ao vivo, em homenagem à abusada Maria Antonietta. Mais uma vez, a música se rende aos encantos da moda e também da história. Lady Gaga e Beyoncé em Paparazzi, David Bowie em Life On Mars, George Michael em Freedom (ao lado de uber models como Naomi Campbell, Linda Evangelista, Cindy Crawford e Christy Turlington), nos trouxeram momentos mais que memoráveis e cheios de referências fashionistas. Vou contar um segredinho… para fazer uma edição de looks no meu trabalho, coloco músicas que tenham a ver com o mood. Se o estilo é mais romântico, já boto uma música clássica bem intense ou até uma bossa nova. Se é rocker, caio de cabeça nos Rolling Stones (minha banda favorita da vida!). Se é street, vou de hip hop e por aí vai. A música me move em tudo o que faço, inclusive nesse exato momento que estou escrevendo. E sabe qual a playlist que estou ouvindo? Uma que só tem trilhas de filmes de moda. 

Agora abra uma nova janela na sua tela e assista a cada um desses momentinhos mágicos que citei acima. Tenho certeza que você vai ficar com vontade de sair por aí desfilando um lookão, ou quem sabe, até se emocionar como eu. Ou as duas coisas. 

Rodrigo Polack é stylist há 15 anos, professor da Escola São Paulo no curso Styling, apresentador do programa 5 Looks, no Discovery Home & Health, ao lado de Chris Flores e colunista semanal da Revista QUEM Inspira. Clique aqui para ler a matéria original

Posted on

ARTE E TECNOLOGIA A FAVOR DA SUSTENTABILIDADE 

Super-heróis invisíveis. É esta a definição utilizada pelo grafiteiro paulistano Thiago Mundano para se referir aos catadores de materiais recicláveis. Ele é o idealizador de duas iniciativas que estão ajudando estes profissionais a terem o merecido reconhecimento em São Paulo e em outras cidades do país: o aplicativo Cataki e o projeto Pimp My Carroça 

O primeiro conquistou no início deste ano em Paris o prêmio de inovação do Netexplo, entidade que estuda o impacto social e econômico de tecnologias digitais e premia, em parceria com a Unesco, as iniciativas mais inovadoras. Descrito como um “Tinder da reciclagem” e lançado em julho de 2017, o aplicativo conecta catadores independentes de todo o Brasil a empresas ou cidadãos que queiram fazer o descarte correto de materiais recicláveis. “No mundo todo, as empresas estão gastando bilhões falando em sustentabilidade. Mas essas são as pessoas que estão agindo na prática. Ao conectá-las, podemos aumentar sua renda e ajudá-los em sua missão”, afirma Mundano.  Cada profissional cadastrado no app conta com um perfil contendo um breve histórico, foto, apelido, telefone, áreas da cidade nas quais atua e os tipos de resíduos que coleta. Por meio do aplicativo, eles conseguem fazer a negociação pelo serviço, levando em consideração a quantidade de material coletado e a distância percorrida. “Nosso foco é que os catadores sejam reconhecidos como prestadores de um serviço público, e que o aplicativo ajude a gerar mais renda para eles”, diz Carol Pires, coordenadora do Pimp My Carroça, em entrevista à BBC Brasil.  

Atualmente, o app conta com mais de 500 catadores cadastrados em quase cem municípios brasileiros. O cadastro pode ser feito pelos próprios profissionais ou por pessoas que queiram ajudá-los (a única coisa que eles precisam ter é um número de telefone para contato). Com o cadastro no aplicativo, Rosineide Moreira Dias das Neves, mais conhecida como dona Rosa, conquistou novos clientes fixos em Recife, cidade onde mora e na qual trabalha como catadora de materiais recicláveis há mais de 20 anos. “O aplicativo é muito bom porque está dando valor à gente. Está trazendo reconhecimento. Através dele, o pessoal está notando que a gente existe”, declarou, também em entrevista à BBC Brasil.  

 MAIS COR, MENOS INVISIBILIDADE, MAIS RESPEITO 
Pimp My Carroça foi o primeiro trabalho realizado por Mundano com os catadores de materiais recicláveis. Inspirado no programa de TV Pimp My Ride, que transforma carros velhos e máquinas turbinadas, o artista começou a grafitar as carroças dos catadores de São Paulo com frases como “Um catador faz mais que um Ministro do Meio Ambiente”, “Meu carro não polui!” e “Meu trabalho é honesto, e o seu?”. “A gente acredita que o catador de material reciclável faz um papel fundamental na gestão de resíduos no Brasil e no mundo. Por notarmos que eles passavam de forma invisível pela sociedade, a gente identificou que a carroça podia cumprir um papel fundamental de melhorar a autoestima e fazer com que as pessoas passassem a respeitá-los”, diz Carolina Pires, produtora cultural do Pimp My Carroça, em entrevista ao Catraca Livre 

O projeto atende os catadores em um escritório no bairro de Pinheiros e, além da pintura das carroças, também oferece kits de segurança para os profissionais (com luvas, fitas refletivas, cordas, bonés, coletes, calças e capas de chuvas) e realiza reparos na funilaria e na borracharia dos veículos, como instalação de freios e retrovisores. Desde 2012, também realiza edições itinerantes do Pimp My Carroça, evento que, além da pintura e dos reparos nas carroças, oferece exames médicos (testes de glicemia e aferição de pressão arterial), ações de beleza e atividades culturais para os trabalhadores.
A iniciativa, que conta com uma rede de 1.174 artistas e grafiteiros parceiro e 1.854 voluntários, já ajudou 1.299 catadores em 48 cidades de 13 países. “Para os catadores é super importante. Todo catador quer ter o carrinho bonito, na verdade. A gente tem o maior orgulho da carroça da gente, porque é o nosso ganha pão. O meu carrinho não tinha nem tinta, eu comprei ele, ele era sem cor, todo horrível mesmo. E eu nem ia ter condição de arrumar ele igual eles. O artista que veio deixou meu carrinho lindo então onde eu passo as pessoas já pensam diferente. E até respeitam mais. Param, perguntam quem pintou, dão parabéns. Muito bom!”, conta Cacilda Aparecida de Souza, em entrevista ao portal Vermelho. 

O sucesso do projeto incentivou a criação de outras iniciativas, como o Pimp My Cooperativa, voltada para as cooperativas de material reciclável; e o Pimp nosso Ecoponto, que revitaliza os espaços de coleta e também oferece atendimento aos catadores. Ações que ajudam a valorizar cada vez o trabalho dos nossos super-heróis invisíveis.