Postado em

POR MAIS LÍDERES E MENOS CHEFES

Por Thiago Franzão, time da Humans Can Fly e colunista da Escola São Paulo

O caminho natural do mundo é a evolução, é o caminho da própria natureza, é a nossa natureza. Apesar de às vezes parecer que estamos em um processo retrógrado, quando olhamos ao nosso redor, ao compararmos a nossa realidade atual com épocas e eras anteriores à nossa, a evolução fica evidente, mesmo sabendo que claramente ainda temos muito a evoluir.

Esta evolução permeia tudo, pois ela é relativa ao ser humano, e a hora que o ser humano evolui ele aplica esta visão de mundo transformada em todas as suas atividades, e a liderança não está de fora.

Acredito que a grande mudança que está acontecendo nos modelos de liderança mais contemporâneos é que o foco passa a ser o ser humano, a pessoa, o indivíduo, e não somente os resultados.

É claro que ainda não vivemos em um mundo corporativo onde existam apenas líderes, temos alguns vários chefes, mas na minha opinião os “chefes” estão com um selo de validade estampado na testa. Não há mais lugar para chefes nas empresas que querem ser bem sucedidas, apenas para líderes. Chefes governam pelo medo, líderes pela inspiração e exemplo, chefes tratam seus colaboradores da forma como lhes é mais conveniente, líderes tratam seus colaboradores da forma como gostariam de ser tratados.

Veja, não estou dizendo que estamos entrando em um mundo onde vamos começar a abraçar árvores no meio de uma reunião, certamente o mundo corporativo continuará tendo uma pressão violenta por resultados como sempre teve, isso é inerente a qualquer negócio, mas creio que pessoas sendo tratadas como pessoas proporcionam resultados infinitamente melhores do que pessoas sendo tratadas como números.

O líder que eu mais admiro é o fundador da Virgin, Sir Richard Branson e o modelo de gestão que ele implementou em suas empresas é absolutamente incrível, voltado para resultado e também para pessoas. Ao ler qualquer um de seus livros ou assistir suas palestras é possível notar que o que ele transferiu para o seu modelo de gestão é o que ele genuinamente sente em relação a como as pessoas devem ser lideradas e tratadas. Uma de suas frases emblemáticas (e são várias) é  “Clientes não vem em primeiro lugar. Seus colaboradores vem em primeiro lugar, se você cuidar de seus colaboradores, eles cuidarão dos seus clientes” – eu não poderia concordar mais com esta frase. Um outro pensamento de Sir Richard é, “Seja sempre cordial e respeitoso, faça o que é correto, mantenha seus valores, seja justo em todas as situações”,sem dar margem à dúvida, Richard Bransoné de longe o líder que mais admiro e o que mais me inspira, ainda não tive oportunidade de ter contato com líderes que apresentam tanta coerência em seu discurso e suas ações.

Ter coerência é importante, hoje é legal falar que o foco de uma ou outra empresa são as pessoas, mas são mesmo? Quantas empresas têm este discurso? E quantas agem de forma coerente alinhando o discurso às suas ações? Sinto dizer… são poucas.

Para mim o papel do líder é ter em seu time, pelo menos na maior parte dele, pessoas que estão alinhadas de alguma forma com seus valores. Não quero dizer que são pessoas iguais a ele, mas sim pessoas que carregam o mesmo sentido de ética, moral, conduta e honestidade.

Para mim liderar é um treino, uma escola, sempre se aprende algo novo. A forma que sempre tentei liderar se baseia em conceitos muito simples, e eu intuitivamente já os aplicava mesmo antes de ter contato com os conceitos de Richard Branson.

#1 Queira fazer sempre o seu melhor, inspire o seu time a fazer o mesmo.

#2 Busque ser melhor que você mesmo a cada dia, não melhor que o seu concorrente ou do que a pessoa ao seu lado, focar neles vai torná-lo igual a eles e não melhor.

#3 Lidere pelo exemplo, o discurso sem estar alinhado com ações não significa nada.

#4 Busque entregar o resultado acima de tudo, com exceção de 2 coisas. Atingir resultados não pode estar acima das pessoas e nem macular os seus valores morais e éticos.

#5 Aja com seus colaboradores da mesma forma que você gostaria que seu líder agisse com você.

#6 Entenda que as pessoas são pessoas, e que os seus problemas pessoais afetam o seu desempenho, precisamos entender e gerenciar isso.

#7 Um líder muitas vezes extrapola a esfera profissional, por várias vezes já me escutei conversando com meus colaboradores sobre problemas pessoais. Na minha visão, o líder contemporâneo acaba por atuar involuntariamente nestas esferas também.

#8 Por vários motivos o mundo corporativo exige que as vezes você tome decisões que não concorda, mas nunca compactue com decisões que abalem os seus valores. Os seus valores são os bens mais preciosos que você tem, eles são a sua palavra e a sua assinatura no mundo.

#9 Pessoas vem de culturas, criações, histórias e relações muito diferentes uma das outras, cabe ao líder entender e orquestrar este conjunto para extrair o melhor de sua equipe. O líder é um maestro, que busca uma sintonia entre vários instrumentos diferentes para chegar na melhor melodia.

#10 Tenha paciência para ensinar quem com você tem a aprender, e humildade para aprender com quem tem algo a te ensinar.

#11 Dê feedbacks constantes, feedbacks positivos podem ser dados em grupo, já os negativos, sempre individualmente.

#12 Reconheça o seu time, assuma a responsabilidade pelos problemas, não “venda” a sua equipe, um líder vai na frente assumindo os riscos e nunca escondido atrás buscando se proteger dos perigos.

Essa é a maneira como tento liderar o meu time no dia a dia, e sim é claro que cometo erros e aprendo com eles, o ponto não está exatamente nos erros que cometemos, mas como os contornamos e o que buscamos como meta para evoluir.

Vejo o resultado deste modelo de liderança quando entrevisto algumas pessoas para fazer parte do meu time e elas dizem que querem essa ou aquela posição por conta de acreditar no modelo de liderança e visão da área, vejo o resultado disso quando pessoas preferem ficar na equipe ao receberem propostas financeiramente mais atrativas, vejo o resultado disso quando mesmo atolados de trabalho (e isso é comum em uma agência de publicidade, principalmente nos dias atuais) as pessoas estão dando risada, vejo o resultado disso quando enxergo nas diferenças da minha equipe uma unidade.

Há algum tempo terminei de ler um livro que me inspirou bastante, chamado “Tao te cing”- este livro foi escrito há aproximadamente 2.600 anos por um filósofo chinês chamado Lao-Tsé (que foi contemporâneo de Confucius), e ele traz um conceito muito interessante sobre como governar/liderar:

 

Governar servindo

Rios e mares demandam os vales, porque procuram os lugares baixos.

O soberano sópode governar quando o seu governo brota do interior.

Por isso o verdadeiro sábio, quando quer governar, modera as suas palavras e renuncia ao próprio ego. 

Assim ele é um verdadeiro soberano, e o seu povo não se sente humilhado.

Governa, mas ninguém se sente governado. 

Todos lhe obedecem de boa mente, e se sentem amparados e livres. 

Nada dele reclamam. Nada desejam. 

Lao-Tsé

Em resumo, liderar é simples e ao mesmo tempo complexo, simples porque se resume em fazer o melhor, fazer o que é correto, dar o exemplo, e tratar as pessoas como você gostaria de ser tratado. Complexo, pois os problemas e a pressão do dia a dia tentam nos fazer esquecer destes nobres princípios morais, ter consciência disso faz com que busquemos cada vez mais lapidar o nosso modo de liderança, alinhando-o aos nossos princípios. O mercado precisa de mais líderes e menos chefes, e automaticamente essa substituição passa a acontecer, pois é consequência da evolução natural do ser humano, desdobrada no ambiente corporativo.

Escolhi para a imagem deste post uma das cenas do antigo filme do “Rei Arthur”. Apesar de eu ter naturalmente um interesse especial pela Idade Média e pelos templários, digo que independente disto o estereótipo do verdadeiro líder para mim é o “Rei Arthur”. Embora seja um personagem mítico e lendário, as histórias arturianas revelam as atitudes de um verdadeiro líder.

Seja mais líder e menos chefe!