Postado em

MULHERES NO COMANDO

Em 2014, a executiva Paula Paschoal se descobriu grávida de repente. Hoje diretora-geral do PayPal no Brasil, na época ela atuava como diretora de Vendas e Desenvolvimento de Negócios (um cargo estratégico) e, como muitas mulheres, teve receio de que a companhia não reagisse bem ao anúncio da gravidez e que isso a prejudicasse na carreira. O chamado risco associado ao gênero. “Fiquei tensa, esperei um, dois meses. Quando cheguei no quarto mês (da gravidez), não dava mais. Eu precisava contar para meu chefe. E a resposta dele foi muito positiva. Ele disse que enxergava que eu estava indo fazer um MBA de graça, em 4 meses”, conta em entrevista ao portal IT Forum. “Voltei da licença e fui promovida. Tive certeza que estava numa empresa na qual a valorização da mulher e a importância de equilibrar vida pessoal e profissional eram levadas a sério”, acrescenta. 

Paula representa uma mudança (ainda tímida) no mercado de trabalho para as mulheres. Especialmente no segmento corporativo, elas estão sendo (finalmente) reconhecidas pelo seu trabalho e tratadas da mesma maneira que os homensA mudança é resultado direto de pressões realizadas pelas próprias profissionais e de estudos que mostram que a diversidade é algo bom e lucrativo para as companhias. Um estudo da consultoria McKinsey, divulgado neste ano, por exemplo, comprovou que ter mulheres em cargos de liderança aumenta em 21% a chance de uma empresa ter desempenho financeiro acima da média. Batizado de Delivering Through Diversity, o levantamento avaliou mais de mil empresas em 12 países. 

Foto: Paula Paschoal – Divulgação

Em contrapartida, as companhias com pouca diversidade no organograma executivo avaliadas apresentam probabilidade quase 30% menos de alcançar lucratividade acima da média. “Elas não apenas estavam fora da liderança como também se mostraram muito atrás”, analisa o comunicado oficial da pesquisa, conforme informa reportagem do Infomoney.

Apesar do avanço, o mercado de trabalho em geral ainda é bastante difícil para as mulheresNo estudo da McKinsey, até as empresas que se mostraram mais abertas à questão da diversidade no seu ambiente de trabalho possuem apenas 10% de mulheres ocupando cargos executivos. As companhias que não se pautam pela questão da diversidade têm apenas 1%. Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT), divulgado neste ano, mostrou que a participação das mulheresno mercado de trabalho no mundo ainda é menor que a dos homens. “Apesar dos avanços conquistados e dos compromissos assumidos para continuar progredindo, as perspectivas das mulheres no mundo do trabalho ainda estão longe de ser iguais às dos homens”, aponta a Diretora-Geral Adjunta de Políticas da OIT, Deborah Greenfield, em entrevista ao G1.A desigualdade salarial não prejudica apenas o desempenho das empresas, mas do mundo como um todo. Pesquisa do McKinsey Global Institute (MGI), realizada em 95 países, identificou que a economia global ganharia US$ 28 trilhões até 2025 se houvesse igualdade de gênero em todos os países. Só a América Latina teria um aumento de 10% no PIB. Segundo estimativas do Fórum Econômico Mundial, a igualdade de gêneros só será possível em 2095. Temos um longo caminho pela frente, mas iniciativas como a como a do PayPal, de respeito à diversidade e à mulher, nos dão esperanças que estamos avançando no rumo certo.  

O estudo International Business Report (IBR) – Women in Business, realizado pela Grant Thornton em 35 países, mostrou que 29% das empresas brasileiras atualmente têm mulheres em cargos de liderança. Além disso, revelou que 39% das companhias não possuem mulheres liderando equipes – em 2017, o índice era de 53%. “Os dados deste ano comprovam que as companhias estão desenvolvendo a mentalidade de querer que mais mulheres liderem. Para que os indicadores cresçam ainda mais, as companhias precisam recrutar e treinar os talentos que provavelmente já estão presentes em suas próprias organizações”, explica Madeleine Blankenstein, sócia da Grant Thornton. Vamos em frente.