Postado em

VISIONÁRIOS DA QUEBRADA

Documentário apresenta empreendedores da periferia de São Paulo que estão mudando a realidade de suas comunidade

Retratar como moradores da periferia estão transformando a realidade de suas comunidades com iniciativas inovadoras. Este é o principal objetivo do documentário Visionários da Quebrada. “A ação surgiu da pesquisa e do desejo de saber sobre as transformações sociais a partir do nosso protagonismo. A gente começou a questionar a história [da forma como ela é contada], que sempre nos colocou no lugar de receptores, e não de realizadores”, explica Ana Carolina, idealizadora e diretora do filme, em entrevista ao site Bol. 

Nascida e criada no Capão Redondo, bairro da zona sul de São Paulo, Ana Carolina desenvolveu a produção em conjunto com a amiga Maria Clara Magalhães e outros amigos – juntos eles integram o coletivo Visionários da Quebrada. Com o apoio da Fundação Arymax, uma entidade sem fins lucrativos, realizaram as filmagens (captaram cerca de 40 horas de material) e recorreram a um financiamento coletivo na internet para editar, finalizar e distribuir o filme. 

“O que vem me fazendo ser um visionário é acreditar que o futuro é aquilo que a gente projeta”
– Dimas Reis Gonçalves

 

Com duração de 90 minutos, o documentário apresenta a história de dez jovens de bairros como Capão Redondo, São Mateus, Jardim Nakamura, Brasilândia, entre outros, com iniciativas bastante plurais. Empreendedores como o jornalista e gastrônomo Guilherme Petro, um dos criadores do Prato Firmeza – Guia Gastronômico das Quebradas de São Paulo; a educadora Rose Modesto, que coordena o Centro de Profissionalização de Adolescentes em São Mateus, na zona leste da capital; e Dimas Reis Gonçalves, morador da Brasilândia e ativista com atuação nas áreas da cultura, saúde e meio ambiente. “O que vem me fazendo ser um visionário é acreditar que o futuro é aquilo que a gente projeta”, afirma Gonçalves, em entrevista ao site Brasil de Fato. 

Para Ana Carolina, o documentário retrata personagens que conseguiram romper a barreira da invisibilidade. “Acreditamos nas mudanças estruturais vindas das margens, nos saberes das periferias e na potência das pessoas engajadas na construção de suas comunidades. É um convite para atravessarmos as pontes que já estão construídas”, explica, em entrevista ao portal Almanaque de Cultura Popular. O documentário está disponível gratuitamente pela plataforma Taturana Mobilização Social e qualquer pessoa ou instituição pode organizar uma exibição coletiva em seu espaço e ser uma parceira do filme. Basta se cadastrar e agendar a sessão para ter acesso à produção. Confira abaixo o teaser do documentário: